Etapas da criação de bettas: do manejo básico a exposições especializadas

Conseguir gerar bettas de alto padrão é o desafio de qualquer criador, não é verdade?

Neste post trataremos da trajetória lógica e necessária para que isto ocorra. É um trabalho que pode levar meses, senão alguns anos, sendo um processo cativante entre aqueles que apreciam o aquarismo e, em especial, o Betta.

Você, criador ou entusiasta do peixe Betta, certamente, ao cruzar duas matrizes, já teve “insucesso” na obtenção de bettas de mesmo fenótipo ou característica visual. O termo “insucesso” remete à tarefa de criar os juvenis e obter peixes diferentes daquilo que era esperado.

Mas… e se você pudesse conhecer as probabilidades de ocorrência destes traços genéticos? Neste caso, pode-se mudar o casal, gerando novos resultados potenciais.

Criadores profissionais, que ganham dinheiro na venda de bettas (em regiões de clima quente, principalmente) – daí o termo profissional -, possuem grande vontade de trazer ao mercado peixes de qualidade (características visuais que atendam a um padrão pré-estabelecido – as linhagens) ou mesmo algo novo, com traços que não se degeneram ao longo da vida do peixe (isto também é qualidade).

Em função disso, mostramos abaixo a nomenclatura proposta para cada fase na carreira de aquarista. Logicamente, nem todos almejam ser criadores de bettas, mas sim apenas entusiastas, que conhecem a espécie também nos detalhes, mas sem o reproduzi-los em seu dia-a-dia.

Caso pretenda ser criador, há questões que você deve observar nesta trajetória. Iniciará com o manejo básico, passará para o manejo reprodutivo, deverá estudar a genética da espécie – aqui tratamos do Betta – e saber julgar uma matriz para fins de venda e compra. E, por fim, em exposições especializadas os critérios de avaliação devem ser os mesmos realizados na estufa do criador.

Nesse sentido, detalhamos abaixo mais sobre o que pensamos sobre cada etapa para que exposições (ao final) tornem-se de sucesso, com exemplares magníficos, criadores felizes e público entusiasmado. Veja só:

1. Manejo básico do peixe Betta

Consiste em tornar o ambiente (o aquário) apto para que o animal tenha uma excelente qualidade de vida.  Detalhando-se, trata do conhecimento da água e seus parâmetros físico-químicos, da luz incidente e suas propriedades, das inter-relações do Betta com o ambiente ao qual está exposto e também quais as técnicas usas para que este ambiente seja adequado ao animal. Requer pesquisa, estudo, prática e observação. Consulte a web para obter estas dicas.

2. Manejo reprodutivo do Betta

Trata dos procedimentos necessários para que seus Bettas tenham condições ambiente onde possam reproduzir, gerar alevinos, ter alimento em quantidade e qualidade adequadas em todas as fases de desenvolvimento, bem como permitir seu crescimento até sua separação – no caso dos machos.

3. Genética do Betta

Considerada um mito e desconhecida em sua profundidade em questões práticas entre os criadores, a genética do Betta é fundamental para que se obtenha matrizes de alto padrão com planejamento sistemático e cálculo de probabilidades de ocorrência dos traços genéticos e, por conseguinte, do fenótipo. [+] Mais informações

4. Julgamento de Bettas

O julgamento de Bettas é essencial para a escolha de boas matrizes visando sua reprodução. Seu conhecimento também permite o julgamento de Bettas para exposições especializadas ou mesmo venda e compra/troca de matrizes. É um trabalho muito cativante entre aqueles que apreciam a espécie. [+] Mais informações

5. Contato com outros criadores

Objetivando a troca de matrizes ou trabalhos para melhoria de plantel, o contato com criadores sérios é essencial. Uma plataforma de cadastramento e consulta online de Bettas (e criadores) torna-se ferramenta para sua implementação. [+] Mais informações

 

Gostou? Curta nossa fanpage no Facebook.

Confira também: